segunda-feira, 22 de maio de 2017

Deve ser para garantir o bom hálito...

- Oh mãe, hoje a professora disse que têm de se lavar os dentes com pasta de flor.




E foram precisos quase nove anos, para num domingo, tarde e a más horas...

Me ter apercebido que existe sinalética de saída de emergência, bem por cima da porta do meu gabinete.



E as vezes que eu já saí pela janela em momentos de aflição, senhores?!

sexta-feira, 19 de maio de 2017

A Língua Portuguesa e a lógica da batata*.

Ora então:

Mictar: 

1. Expelir urina. = URINAR


Micterismo:

1. Semblante severo ou carregado; má catadura. = CARRANCA, SOBRECENHO
2. Dito desdenhoso ou escarnecedor. = CHACOTA, TROÇA, ZOMBARIA


Que língua mais simples e clara, esta nossa...


*E pode ser mesmo a lógica da batata do post de baixo, que tanto parece um coração como os tintins de um velhote.

"mictar", in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013, https://www.priberam.pt/dlpo/mictar [consultado em 19-05-2017].

"micterismo", in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013, https://www.priberam.pt/dlpo/micterismo [consultado em 19-05-2017].

Adenda: O dicionário Priberam é cocó, o da Porto Editora é que é. Se fui ao Priberam é porque sou amiúde acometida de paragens cerebrais. Toda a gente sabe.

segunda-feira, 15 de maio de 2017

domingo, 14 de maio de 2017

E depois acontece.

Olhas para baixo e tens uma fratura tectónica entre os pés. E sabes que tens uma e uma só opção a tomar. Mas esperas. Não decides por impulso. Já pouco fazes por impulso. A vida tem-te mostrado que o impulso pouco tem de franqueza. Acreditas até que nada mais é que fraqueza. A fraqueza da irracionalidade. Esperas. Pensas. Racionalizas. Decides. Tu. E vais, direita, para uma das placas. Pelo teu pé. Com a certeza que nada te amolecerá a verticalidade. És o que és. Aqui e ali. Em todo o lado. Para o bem e para o mal. És honesta. E vertical. E só a tua almofada sabe o quão tranquila se deita a tua consciência. Todas as noites. É tão mais simples a vida assim. Sem truques na manga. És o que és. Fazes o melhor que consegues. Às vezes consegues mais, às vezes consegues menos. Ouves os teus filhos rir com as macacadas do pai e sabes que tudo se resolverá. Porque sim. Porque a vida, às vezes, treme. Mas enquanto ouvires as teus filhos rir, o mundo tremer-te-á suavemente sob os pés. Até sorris. Com cócegas. 
Vamos lá.
Dar o salto.
Crescer.
Viver.
Tudo está bem.
É o que é.
A vida, às vezes, treme.
O mundo treme.
Tu tremes.
Mas não te vergas.
Por nada.
Antes tombar, que logo te levantas.
Viver vergada nunca.
Faz mal às costas.

sábado, 13 de maio de 2017

Tuga private.

E agora o nosso rapaz, futuro comendador - adivinho, pisava o palco, agarrava-se aos safanões aos apresentadores e gritava:

Amanhã é feriado, c@ralho!!!!

(E depois a mana Luísa e a restante comitiva começava lá trás aos pinchos... E esta merda é toda nossa, olé!, olé!... Era lindo ou não, carai?)

O problema do 13 de maio de Marcelo.

Marcelo saiu de Fátima em direção ao Marquês em marcha de emergência.
 
E eu que estou a ver o Festival da Eurovisão adivinho o F16 já de motor ligado para seguir em direção a Kiev.

quarta-feira, 3 de maio de 2017

Imagino a educadora a instruí-los afincadamente o dia todo para guardarem segredo e não consigo parar de rir.

[NM] E então, filho?! Foi bom o teu dia?

[Baby] Xim...

[NM] O que fizeste?!

[Baby] Não fiz um coá [colar] pa ti. Não. Não fiz!

(...)

O Dia da Mãe está aí a chegar, né?