quinta-feira, 28 de maio de 2015

Está um calorão do caraças...

Tive mesmo de mandar o Baby de calções para a escola. Foi a primeira vez este ano. E ele tem sempre muita pressa para ver tudo e ainda lhe é mais fácil mandar-se de gatas para ir inspeccionar a fundo as diversas problemáticas que se lhe afloram num ângulo de 360° e num raio de 10 metros. Sempre com a souplesse de um todo terreno.

Pobrezinho... Estou aqui de coração apertado... 

Sim, sim, estou aqui estou que lhe vou comprar umas joelheiras.

Adenda: Num dia ficou mais espedito a andar que em, sei lá, mês e meio, ou coisa que o valha... Ah pois...


quarta-feira, 27 de maio de 2015

Por que nunca serei uma fashion baby mummy blogger...

Passámos o fim de semana na aldeia onde deixo os miúdos fazerem tudo o que lhes apetece, excepto, talvez, engolir pedras (as lagartixas conseguem escapar-se-lhes, escuso de me preocupar).

(...)

Já tomaram quatro vezes banho. Continuam encardidos.

Sei que parece estúpido...

Mas tenho a solução para um problema que desconheço.

"Solution looking for a problem."

Abençoado Google... Uma pessoa nunca se sente só neste terceiro calhau.

terça-feira, 26 de maio de 2015

Do quase canibalismo.

Ir jantar com noruegueses e estes insistirem em comer "bacalau".

Conheceis a história d'O Barão Trepador, de Italo Calvino?*


É uma história muito divertida da qual me lembrei assim de repente enquanto olhava pela minha janela. 

Porquê? Ora, porque vejo daqui um grilinho que leva a vida equilibrado em cima de um arame. Mas num equilíbrio exímio digo-vos eu... É um grilinho muito engraçado, com umas asinhas muito fofas que parecem mesmo mesmo um fraque... Sempre a fazer Cri-Cri-Cri-Cri este grilinho equilibrista, lá do alto do seu arame.

Como é que o grilinho se alimenta? Com o que lhe chega, quer da esquerda quer da direita. 

Como é que o grilinho se entretem? Com o que vê, quer à esquerda quer à direita. (Às vezes fica embasbacado a olhar para um dos lados, vai-se inclinando inclinando, fica toda a gente expectante: ai ai ai ai é agora que ele se vai comprometer ai ai ai, mas num repente ele acorda... "Wow!" Começa a dar aos bracinhos para trás, a dar, a dar, com uma velocidade espantosa se atendermos que é um grilo, até que retoma a posição inicial, "Ufa!", engole em seco, ajeita as abas do fraque imaginário e olha em volta a ver se alguém reparou que ele até estava de boca aberta e tudo. Acto contínuo, já é irreflectido, olha para o lado oposto e acena...) 

Como dorme? Ora, equilibrado no seu arame então: perninha para um lado perninha para outro, bracinhos também, asinhas idem aspas, anteninhas tal e qual... 

Os cocós e xixis? Ora ora, esses é que o nosso grilinho não descura mesmo... Se faz um xixi para um lado o próximo é de certeza para o outro (xixi mililitricamente distribuído, digo-vos eu), se faz um cocó para um lado o próximo é, seguramente, para o outro (mas cocós geometricamente iguais, numa espantosa técnica apurada ao longo de décadas, quiçá séculos segundo alguns relatos).

Um grilinho muito castiço este... Previsível, mas castiço.


* E aquela expressão de "Uma no cravo e outra na ferradura", conheceis?

sexta-feira, 22 de maio de 2015

Nem sei se ria, se chore*...


E depois meritíssima eu contei uma história muito engraçada em que dei uma canelada ao meu gajo e depois ela disse que eu batia nele e depois eu para a poder acusar de difamação chamei-lhe rameira e anormal de merd@ e depois ela até me mandou um email a dizer ah e tal...

Se alguém estiver interessado em saber a minha identidade, tendo a vista a agilização de diligências judiciais, é favor contactar-me via email que eu terei o maior gosto em fornecer todos os dados necessários. Eu bem sei que ele há coisas com as quais não se brinca (com o nosso umbigo, por exemplo), que tempo é dinheiro e que para emperrar o sistema bem bastam os Lidls desta vida a levar a tribunal os desgraçados que roubam pacotes de bolachas.

* E agora todos em coro: "Que espêeeeeerta que a menina é!"

** Que inveja de gente tão bem formada e resolvida e superior e isso... Que inveja, meu Deus!

*** Bom fim de semana!

Da alergia ao frio.

Quando a minha mãe era pequenina desmaiava muitas vezes, mas não sabiam o que tinha. Parecia uma criança saudável mas às vezes desmaiava e no Inverno tinha muita comichão. Uma das memórias mais antigas que tenho é da minha mãe caída, desmaiada, no meio da rua. Não devia ter mais de quatro anos e lembro-me de tudo. Foi em frente a um sapateiro e lembro-me disso toda e cada vez que por lá passo. Lembro-me da mulher do sapateiro me tentar levar para dentro, me oferecer rebuçados para me distrair do que estava a acontecer. E eu lembro-me de chorar, de chorar muito agarrada à minha mãe, a perguntar se tinha morrido. 

Nós sempre soubemos que a mãe se sentia mal com o frio, mas o termo "alergia" pela boca de um médico demorou décadas a aparecer.

Quando eu era pequena ia com a minha mãe e irmão de férias para o S. João de Estoril. Passava as tardes na praia de Azarujinha e não podia estar mais de cinco minutos seguidos na água do mar. Ficava roxa, mas tão roxa que até as outras pessoas me diziam para sair da água. E eu saía, com a pele toda empolada, com uma comichão que me enlouquecia. Implorava então eu para ir para a piscina natural que ali havia. A mãe não gostava que eu fosse para lá quando o mar estava calmo, porque era água estagnada, mas eu pedia muito e ela às vezes deixava. A água parada estava quentinha e eu aguentava lá muito mais tempo.... Dez minutos ou assim.

O tempo foi passando e a alergia piorando.Não me lembro da última vez que tomei banho na água do mar, não consigo correr ao ar livre (ou caminhar depressa) ainda que esteja uma aragem mínima, se abrem a janela para entrar ar fresco frequentemente começo a sentir-me mal se o tal ar fresco me toca na pele. 

O que é isto de me "sentir mal"? É ficar com uma comichão terrível nos sítios onde o ar me toca, com a pele toda vermelha e empolada. Já cheguei a perder os sentidos (mais que uma vez e sem ter tempo de reacção), falta-me o ar, foge-me o chão... Não vos consigo explicar. Se mal começar a sentir os sintomas me proteger imediatamente: parar e aquecer-me de alguma forma, consigo controlar, se insisto dois minutos que seja... Pode ficar muito feio. 

A pior altura do ano é esta porque está calor mas ainda arrefece muito e se eu no Inverno ando agasalhada e dificilmente sou apanhada em contramão, nesta altura vou facilitando. Se visto algo mais fresco (sandálias ou manga curta, por exemplo) e de repente arrefece muito e eu estou na rua é quase certo que vou ter uma crise se não tomar um anti histamínico imediatamente. O mesmo quando começa a arrefecer aí por Setembro. 

A parte boa é que me passa rápido (basta aquecer) e que os anti histamínicos surtem realmente efeito. 

De resto, tenho medo que o Baby sofra do mesmo porque ele arrefece muito e muito depressa. Fica com os lábios roxíssimos se o vento frio lhe dá na cara. Neste Inverno por três ou quatro vezes me ligaram da escola a dizer que não o conseguiam aquecer de nenhuma forma. Já lhe dei com os pés azuis, geladíssimos, e dessas vezes só o consegui aquecer no banho.

Mas isto é muito difícil de explicar... Não é aceite como uma alergia "normal" pela generalidade das pessoas. Ainda hoje acho que muita gente pensa que eu sou só friorenta e que as restantes reacções são, enfim, psicológicas... Frescuras minhas, no fundo! Só que não!

quinta-feira, 21 de maio de 2015

Oi? Como assim?

[Jr.] Olha mãe, que cocó de gaivota tão gigante...


[NM] É nada filho, então não vês que é uma mancha de tinta?

[Jr., com o tom mais condescendente] Tinta?! Oh minha querida mãe... És tão ingénua...

(...)

Nem sei o que hei de pensar, mas estou-me a rir disto desde as 6h da tarde...

Resumo.

Ai os meus sapatos parecem de put@, é? Ai é?! E então sabes o que é que eu te digo, sabes? Sabes?!... Put@ és tu!... Pronto... Vai buscar! A tua sorte é que não sou da tua laia sua desocupada, invejosa, doente, anormal de merd@... Olha agora a criticar-me os sapatos... Put@ pah, és uma put@!

Fim.

terça-feira, 19 de maio de 2015

Em também gosto muito de relógios com pulseira em pele clarinha...

Ficam muito lindos... Durante 15 dias ou assim!



* Olhai o que eu vos digo... Pulseiras em metal, ide pelas pulseiras em metal. Ou borracha. Ou pele escura. Pele clarinha nunca.

segunda-feira, 18 de maio de 2015

Avulsos.

1. É irrelevante se o homem cuspiu ou não, mas é relevante saber que para a polícia isso tem relevância justificativa.

2. Os polícias são muito mal tratados. Os polícias são muito mal pagos. Muito. Os policias andam com os nervos em franja. Os polícias são tratados a pontapé. Os polícias andam armados. Os polícias são homens de músculo. Muitos polícias, se não fossem polícias, eram delinquentes. Os policias não andam felizes. Os polícias são a classe profissional com mais suicídios. Não estou a desculpar nada, mas devíamos tratar melhor os nossos polícias.

3. Multidões eufóricas são uma bomba relógio e o bater de asas de uma bela borboleta pode atear fogo ao rastilho.

4. Não se levam crianças para ambientes propícios a confusões. Pode ser preciso correr e elas além de não acompanharem o passo são facilmente abalroadas pela multidão em fuga. A culpa não é da multidão. A multidão é irracional.

5. Se por cada piada a propósito das calinadas do Jorge Jesus se recebesse uma resposta automática com um recibo de vencimento seu, às tantas gozava-se menos com a "burrice" do homem.

6. Arrefeceu o tempo ao fim do dia. Hoje vesti uma túnica de ganga, calças de algodão e sandálias. Cheguei a casa às 8 da noite. Estacionei o carro na rua. Por causa do vento frio tive um choque anafilático. Cheguei a casa à beira de perder os sentidos, com a pele toda empolada e uma comichão horrível. Por favor, pela vossa segurança, quando alguém vos disser que é alérgica ao frio controlem a cara de gozo e não respondam que sim senhora também são muito friorentos. Pela vossa segurança, repito.

7. Os programas de matemática do ensino básico estão de uma exigência absurda, quer em extensão quer em complexidade. Se eu tentar ensinar uma criança de dois anos a ler, eu não estou a ser exigente com ela. Estou só a ser estúpida. Pronto, basicamente é isto que se está a passar no ensino da matemática.

O futuro chegou cedo demais?


A propósito disto.

Bi-Champinhões!

Daqui.

E nós por aqui a brincar com isto do futebol...

E eu acabei de ver um polícia a atacar um homem adulto e um idoso e, qual cereja no topo do bolo, uma criança em pânico.

Não sei nada do que aconteceu antes? Pois não. Nem preciso. Bastou-me o que vi. Independentemente do que tivesse acontecido, independentemente do que tivesse sido dito, nada justifica o que vi. Nada! Foi vergonhoso.

Às tantas era melhor avaliar a saúde psiquiátrica daquele agente... E rápido, antes que mate alguém num qualquer acesso de fúria... Nos entretantos se calhar não seria má ideia algemá-lo. E açaimá-lo!

Uma vez, antes do Europeu de 2004, estava eu numa esplanada à noite... Zona tranquila. Tudo tranquilo. Depois chegaram uns rapazes que faziam algum barulho com as suas motas. Mais barulhento, mas tudo tranquilo na mesma. Entretanto chega a polícia de intervenção (??). Houve gente que estava sentada de braços cruzados e de braços cruzados apanhou da polícia. Eu? Eu fugi o mais rápido que consegui. Tive ali a certeza que estavam em treinos e foi daquelas cenas que se eu não tivesse visto não acreditava.

domingo, 17 de maio de 2015

A propósito de glóbulos vermelhos...

No hospital...

- O senhor é que é o dador de sangue?

- Não, eu sou o da dor de cabeça.

Muito obrigada e boa noite! E mais baixinho, não fariais o obséquio de gritar mais baixinho?? Credo...

sexta-feira, 15 de maio de 2015

E quando eu já temia que se me fosse a casar de gatas...

Habemus Homo Erectus!

video


Não há como não sorrir...

Com um CV que chega via correio. Em papel. Com uma carta de apresentação exemplarmente manuscrita. Isso. Manuscrita.

Saltou de gabinete em gabinete e houve quem se endireitasse na cadeira para ver com redobrada atenção o que ali vinha... Rapaz novo. E esperto, digo-vos eu. Novo e esperto!

Sabes que nunca serás uma blogo-opinion maker...

Quando com tanta coisa na ordem do dia sobre a qual podias opinar, decides escrever um post em que partilhas com o Mundo a tua vontade de correr à lambada as alminhas que apalpam tudo quanto é pão no supermercado antes de escolher o saco que levam para casa.

Adenda: Apetece, só hã! Não corro. Quer dizer, nem apetece... É só uma maneira de falar. Pronto... Está bom, assim? Pronto então... 

quinta-feira, 14 de maio de 2015

Estava agora a começar a fazer o jantar...

E tive de vir aqui a correr, a correr, dizer-vos que...


Olha... Varreu-se-me!

2015? Não, 1984! (E nós de cara alegre.)

Aqui há uns tempos enviei uma fotografia da turma do Jr. a uma amiga minha. De email pessoal da google para email pessoal da google. Fotografia em anexo. Nada de aplicações manhosas. Passado um dia recebo um mail da google a dizer que me tinham preparado uma surpresa, uma foto-montagem pronta a partilhar. Recebia então eu a mesma fotografia da turma do meu filho, mas com o David Hasselhof (?) a fazer pose por trás dos miúdos...

Outro dia reservei uma viagem online. Na plataforma da companhia fiz "Share" e pús o email pessoal da google do meu marido. Hoje ele foi à sua agenda (google calendar) e lá estavam assinaladas as minhas viagens: a de ida e a de regresso.

Big-Google is watching you... (É só a mim que isto assusta?)

Não saber se se há de rir se se há de chorar...

É estar cheia de pressa para sair de casa de manhã, ouvir o Baby às gargalhadas na casa de banho, pensar "antes a rir que a chorar", continuar a despachar-me o mais rápido possível, continuar a ouvir as gargalhadas, pensar " isto já é galhofa a mais", chegar à casa de banho e dar com os sapatos dele e do irmão todo enfiados na sanita...

quarta-feira, 13 de maio de 2015

Dúvida sobre o acordo ortográfico*

Será que quando as pessoas deixaram de escrever "pharmacia", também ficaram assim tão phodidas?

* Tudo aqui (é Flash, é provável que não funcione em telemóveis e tablets), numa óptima** descrição.

**Sim, por aqui continuará tudo na mesma...

Já tudo se disse sobre os vídeos das agressões*...

Eu só peço é que a força esteja comigo na eventualidade daquilo me entrar porta adentro... Quer estejam os meus filhos a levar, a dar, ou a assistir... Que o discernimento não me falhe nessa hora!

*E não caríssimos, aquilo não é bullying. Há que chamar os bois pelos nomes e aquilo é crime e aquelas criaturas parecem-me ter corpo de imputáveis. E não me venham com a merda da lenga lenga que daquilo sempre houve e que no nosso tempo também não sei o quê, que, felizmente, os padrões mudam. Até há bem pouco tempo também as mulheres apanhavam porrada velha do marido, no meio da rua se fosse preciso, e ninguém levantava os olhos porque entre marido-e-mulher-não-sei-o-quê-da-colher. Por isso, mesmo que tenha sempre havido, já vai sendo tempo de deixar de haver e essa porcaria de conversa só introduz ruído. Boa?

terça-feira, 12 de maio de 2015

Eles falam falam falam, mas eu não os vejo a fazer nada...

Outro dia levei o Jr. ao meu trabalho e na secretária de uma colega estava um espermatozóide de espuma (merchandising, don't ask)...


O Jr. agarra aquilo pela cauda, abana-o e diz que é um balão muito engraçado. Acto contínuo alguém lhe pergunta:

- Achas que é um balão?

A criança diz que sim, claro que é um balão. Eu digo em sussuro que se lhe quiserem dizer que não, que não é um balão, que digam - ora essa por quem sois, mas que quem o fizer terá de lhe explicar o que é então aquilo.

(...)

Achais que alguém abriu a boca? É o abres... Pois sim senhora que era um balão muito engraçado!

E ao Jr, NM? Já lhe passou a panca dos Super-Heróis?

Não. Está cada vez pior. Já conhece os da 15a liga e passa horas, horas, a falar daquilo. Faz colecção de figuras que procura no ebay e ai de quem lhe toque nelas. Enfim... Não há de ser nada.


segunda-feira, 11 de maio de 2015

"Oh mãe... Que seca! O Pocoyo é para bebés..."

- Pois, mas o mano gosta... Senta-te aí a ver com ele.

- Aaaaaiii... Que seeeeca... Mas eu lá sou algum bebé?

- Oh, deixa-te lá de fitas... O Pocoyo é tão engraçado... Senta-te aí a ver com o mano, vá... Tem lá paciência.

- Pffffffff.... Mas ele só aponta e diz "Pâ!... Pâ!"

- Pronto! É porque gosta.

(...)

Silêncio.

(...)

Gargalhadas do Jr. Mais. Muitas.

(...)

- Então?! Não gostas, não gostas, mas estás farto de te rir...

- Quem? Eu???

[Agora tem esta mania de fazer perguntas para ter tempo de pensar.]

- Siiim...

- Então... É para ensinar ao mano em que partes é que ele tem de se rir.

(...)

Ahã!

(E é tão fixe o Pocoyo...)





Das pessoas que, mais que terem, são A razão.

Uma pessoa faz o que tem de fazer... Aliás, uma pessoa faz mais que o que tem de fazer. Uma pessoa chateia outras para reverem o procedimento, ainda que lhes assista obrigação nula. Uma pessoa faz gráficos e simulações em tempo real, modela e explica da forma mais simples que consegue. Faz o boneco todo (com traço fininho e mais que uma vez) para mostrar que, enfim, nem tudo é o que parece. Que, por mais frangos que se tenham virado, a intuição às vezes falha. Paciência. Acontece. Não é o fim do mundo. A matemática está cá para isso mesmo, para ordenar, formalizar, modelar, prever. Para chutar a intuição para um canto no fundo...

Depois a pessoa recebe como resposta uma respeitosa citação... 

“Probability theory is nothing but common sense reduced to calculation.”

Pierre Simon de Laplace, Théorie Analytique des Probabilités, 1812

E a pessoa faz "Arquivar" e vai buscar um café. A inteligência não vem nos livros. Há que escolher causas. E o tempo urge. A pessoa perdeu ali o vagar para o erudito das citações e da confiança inabalável no seu senso e intuição. É continuar a tentar. Noutra porta. Paciência. Acontece. Não é o fim do mundo. É a minha intuição, pelo menos.

sábado, 9 de maio de 2015

Humor britânico*


Num pub numa cidade universitária. 

Dar duas garrafas de vinho por um problema que se resolve de cabeça em trinta segundos.**

* Ou de como "Ai, ai, sou tão inteligente... Bendita a hora que criei um blogue que assim posso alardeá-lo à minha vontade e sem contraditório. E magra. Também sou magra. E os livros que eu leio? Ui... Nem queirais saber..."

** True story, hã!

"Oh diacho... Está ali um tipo tão giro como eu!"


É sempre o mesmo excitex. :)


sexta-feira, 8 de maio de 2015

Marcamos a primeira ovação em pé a nível nacional para que horas, hum?!

"Conseguimos infligir um dano de trinta milhões de euros na companhia..."


Parabéns a vós! A sério!... Mais uma prova que o trabalho árduo e sério compensa sempre. Um exemplo. Sois um exemplo para todos nós.

Acabei de reservar uma viagem de uma semana...

Polónia. Trabalho, claro.

Partilhei a reserva com o meu rico marido que lá continua por Terras de Sua Majestade.

Escrevi o seguinte comentário: "Amor com amor se paga."

Aguardo ansiosamente resposta envergando óculos de soldador.

quinta-feira, 7 de maio de 2015

Afinal não Pê... Afinal parece que por aqui não vão ser só coisas fofas...

Ora vede, vede**:


Schhh.... Pum! Pum! Pum! Já não é só para os que nascerem depois de 1 de junho... Viva! Viva! 

Pois é... E para o meu filho que leva a última dose para semana... Batatinhas! Arroto Eructo* com 60€ na farmácia e é se quero!

Pois... "É a vida!", não é Sr. ministro? Pois claro que é...

*Adenda em prol de uma causa maior.

** Cá beijinho D. ;)

É quase a mesma coisa...*

Eu a vestir o pijama ao Jr. que tinha ido todo compostinho de pullover e camisa a uma festa de aniversário num infantário...

[NM] Ui... Mas é que tu hoje foste mesmo todo bonito....

[Jr.] Pois fui... As professoras do D. até disseram que eu era o menino mais bem vestido da festa.

[NM, a adivinhar a mentira]  A sério que elas disseram isso??!!

[Jr.] Não, mas viram bem que sim.

* Ou de como guerra é guerra... ;D 

Fino como sua mãezinha, que é como quem diz fino como um alho...

Eu sozinha em casa com os miúdos e a precisar de ir tomar duche (numa cabine na casa de banho do meu quarto).

[NM] Jr., vou tomar banho, mas o mano está a dormir no meu quarto. Ficas aqui sossegadinho a brincar e se precisares de alguma coisa vais-me chamar. Mas só se for alguma coisa importante, está bem? É que senão o mano acorda... 

[Jr.] Tá bem...

Estou eu a tomar duche (de costas para a porta) quando a luz se apaga para se acender logo a seguir. Olho para trás para a porta e lá estava o Jr. a fazer-me sinal que queria falar.

Abro as portas da cabine e sempre em sussurro para não acordar o pequenino.

[NM] Que foi?

[Jr.] Posso ir fazer xixi?

[NM] E então é preciso perguntar? Claro. Vai à outra casa de banho... 

[Jr.] Tá bem...

[NM] Mas olha... Porque é que me desligaste a luz?

[Jr.] Porque se te chamasse baixinho não ias ouvir com o barulho da água e assim olhaste logo.

(...)

Nada mais nada menos que o próximo nobel português meus amigos... Atentai no que vos digo! Ou então não! :D

(...)

Eu avisei, eu avisei...

quarta-feira, 6 de maio de 2015

Note to self.*

Nunca em momento algum, e por mais verdade que seja, verbalizar que se está farta de blogues no geral ou do seu próprio blogue em particular. 

É que se é possível enganar os mais incautos, os novatos e os de fraco espírito crítico, aqueles que realmente percebem disto e pensam fora da caixa... Bom, a verdade é que esses não se deixam ir na conversa!



* Ou por motivos alheios à minha responsabilidade optei por fazer uma ligeira alteração à programação que isto uma pessoa tem de aprender com quem sabe e sempre optei por escrever os ensinamentos verdadeiramente importantes desta vida.

Aviso à navegação.

Trago na cabeça mil e uma histórias dos meus filhos que quero congelar aqui neste meu humilde cyber espaço. Cada história, seu post. Isto acontecerá o mais brevemente possível e assim de rajada que daqui a nada varrem-se-me da memória e isso é que não pode ser.

Posto isto, agradeço então às almas mais sensíveis, àquelas que se confrangem e envergonham com posts de mãezinhas babadas com as suas criancinhas a relatar historietas da treta de coisas que todas as criancinhas fazem e dizem e que, enfim, podem ter muita piada lá nos jantares de família mas que ao comum dos mortais não interessam nada, o favor de não pôr por aqui os cotos durante os próximos dias que a coisa vai ficar feia.

Depois não digais que não vos avisei.

terça-feira, 5 de maio de 2015

Brincar às mães solteiras já teve mais graça já...

O meu rico marido abalou-se-me para terras de Sua Majestade há já três dias para estar enfiado numa sala com mais uma dúzia de alminhas, vindas sabe-se lá de onde que desconfio que alguns nem terráqueos são, para estar cada um em frente ao seu computador sabe-se lá a congeminar o quê e antes disso trabalhou como um cão que mal o vi aí durante quinze dias e eu tenho aproveitado as minhas horas de almoço para fazer coisas tão estimulantes como ir à frutaria e ao pão, ir a casa estender roupa, arrumar a louça da máquina ou pôr o lixo na rua e não parei dois minutos desde as sete e meia da manhã  e agora com vossa licença vou pôr os pés ao alto e até tomava um chá senão fosse preciso levantar-me do sofá para o ir fazer.

segunda-feira, 4 de maio de 2015

Só vi ontem o Shark Tank e em verdade vos digo...

Que aquilo de pôr em cima das vitro cerâmicas para os robots de cozinha é uma grande ideia.


Não é só a mim que se me ocorre que qualquer dia esturrico a Bimby, ora não?

Mas obviamente que as máquinas têm de estar debaixo do exaustor, não é?

Na Bimby? Ora, ora, um belíssimo puré de batata e cenoura cuja receita, ó-ó minhas amigas, já sei de cor... O mesmo peso das batatas em leite... Só que não. Afinal parece que não.. Afinal diz que são 400gr de leite por cada quilo de batatas... Eu tinha 600gr de batatas pus, "claro", 600gr de leite. Quase a mesma coisa portanto!
...
Do leite creme, carai... Do leite creme é que sei a receita de cor!

Digo-vos uma coisa...

Está semelhante ventania no Porto que por momentos ainda pensei que hoje fossemos entrar em casa pela chaminé.

Lembro-me perfeitamente....

No meu décimo primeiro ano fartei-me de passear o "Assim falava Zaratrusta", "O Mito de Sísifo" e o "Metamorfose" debaixo do braço. Tinha só dezassete anos, imagine-se o prodígio que ali se adivinhava!

O que li efectivamente? O "Metamorfose" e já na faculdade.

O que lia efectivamente? O Blitz!..(E Eça e Hemingway vá... Esses lia. Os outros eram só para o estilo, que a minha capacidade para ler aquilo ou um paper de referência de física quântica era mais ou menos a mesma.)

sábado, 2 de maio de 2015

E depois parece que sofro daquilo do Tourette, pois claro que parece...

É que fico f@did@, mesmo mesmo f@did@, quando a propósito daquela tragédia em que um carro vindo sabe-se lá de onde ceifa a vida de cinco peregrinos e chegados os companheiros a Mortágua, os companheiros de viagem, aqueles que ficaram cá para contar a história... {Deixai-me respirar que estou mesmo nervosa com esta merda}... Dizia eu que quando chegam os sobreviventes à sua terra, de autocarro e poucas horas depois do sucedido, têm à sua espera logo ali à saída do autocarro, mas mesmo mesmo logo ali, equipas de reportagem de todas as estações de televisão... E as pessoas quase têm de pedir licença que, cum c@r@lho, querem passar. E a mim sobem-se-me uns calores... Que se lá estivesse lembra-me que destava a atirar calhaus àquela cambada de abutres, filhos de uma grandessíssima meretriz...

Tinham de estar lá... Claro que sim... Os animais... Filmar os gritos de desespero e os abraços e a emoção de quem ainda não sabe muito bem o que aconteceu. Vale tudo menos tirar olhos. É que isto contribui de c@r@lho para perceber o que aconteceu. Pois então não contribui? É isso e informar que o que sobreviveu daquele ataque em Vila de Conde em que um doido - seu pai, lhe matou toda a família "teve que ser amparado várias vezes" durante o funeral...

Puta que os pariu... Quando não se respeita isto, quando não se respeita a dor na morte, não se respeita nada... Cambada de abutres! Devem ter orgulho no jornalismo de excelência que fazem.

ABUTRES! Todos! Cuspia-lhes em cima. Juro que cuspia.

Hoje fui ao NorteShopping e tenho-vos a dizer...

Que a vida daquilo se divide nas eras A.P. e D.P.

(...)

Acho que hoje tive um ligeiro ataque de agorafobia... Me-do!

Hoje estive meia hora dentro do carro à porta do Continente...

Quedei-me a olhar para as pessoas a entrar e sair.

Estamos a ficar gordos!