domingo, 4 de maio de 2014

Este é o primeiro dia da Mãe...

Que passo sem ter a minha Mãe... E dói, não mais que nos outros dias, mas dói... Dói muito! Dói fundo! Dói na alma e dói na carne... 

E eu sinto-me menos Mãe desde que não a tenho fisicamente... E não, ter dois filhos lindos e saudáveis não me alivia a dor... Porque sim, porque há amores (e dores) insubstituíveis! Tenho-lhe saudades eternas.


* A minha Mãe tinha um tipo de humor que nunca reconheci em mais ninguém... Estava eu grávida e já se suspeitava que era menino (da sua doença ainda nem sinal). Dou conta de três chamadas perdidas no telemóvel. Ligo-lhe preocupada. Dizia-me ela que tinha tido uma epifania e que não podia demorar em me contar... Descobrira o nome ideal para o Baby: CLEMENTE! (...) E a minha mãe era isto... Piadas tontas... Piadas tontas e Família (sempre a Família) e uma multidão à mesa e o copo sempre (mas sempre) meio cheio. Que um dia eu lhe chegue aos calcanhares.


10 comentários:

  1. Ficam as boas recordações ao menos. E a vida continua não é assim? bjoka

    ResponderExcluir
  2. Mais um abracinho bem apertado minha querida. É uma saudade que não passa. Um beijo

    ResponderExcluir
  3. Muito obrigada. A sério, do fundo do coração.

    ResponderExcluir
  4. Respostas
    1. Obrigada minha querida... Obrigada por seres como és e obrigada por seres uma pessoa das minhas... :)))

      Excluir