segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

Eu gostava muito de perceber...

A partir de que momento na vida (ou será uma questão de personalidade?), pessoas adultas se sentem no direito de dar ralhetes a terceiros (pessoas igualmente adultas e imputáveis).
A questão não é o discordar, a questão é o "chamar à atenção", é a condescendência do tom... Imagino-as sempre de dedo esticado, mãozinha na cinta e pé a bater no chão, enquanto dizem por outras palavras: "O que o menino fez é muito feio e o que merecia era levar tau-tau... Agora vá ali para aquele cantinho e fique a pensar naquilo que fez." Ai que essa brincadeira já enjoa, ai que com isso não se brinca, ai que nisso nem se fala... "Espero bem que não se volte a repetir. Isso que fez é muito feio e aborrece-me. O que merecia era levar um tau-tau, não sei se já disse..."
Basicamente, basicamente, lembro-me da forma como (raras vezes) ralho ao meu filho de quatro anos. Mas lá está, ele tem quatro anos e eu sou sua mãe... É um bocadinho diferente. 
Isto é mesmo muito comum e caramba... Pessoas que se sobem para um pedestal imaginário e se incubem de educar (pregar a?) terceiros aborrecem-me um cacho valente...

24 comentários:

  1. Agora imagina que essa pessoa é a tua sogra.... pois.

    ResponderExcluir
  2. É o instinto maternal a falar mais alto, mas nem sempre melhor...
    (como mãe, sigo o meu instinto e falho, sem ser como mãe também).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não acho nada, Mirone... Se fosse isso, estas mesmas pessoas eram as que elogiavam, passando a mão pela cabeça, quando os "terceiros" faziam alguma coisa bem (ou de bom)... E isso raramente acontece. O que estas pessoas gostam mesmo é de ralhar... Pôr na linha...

      Excluir
    2. Por falar em pôr na linha, esse bolo rainha de que falavas ontem, era mesmo bom ou estavas só a fazer "vista" aos leitores?

      Excluir
    3. Ahahahahahahahah "fazer vista"?? Desconhecia! :)))
      (Era delicioso...)

      Excluir
    4. Fazer vista, sim, aquele misto de exibicionismo/gabarolice.

      Excluir
  3. Quererias, talvez, dizer uma "beca valente"?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não, era "cacho" mesmo - do português antigo de lá de muito a norte, por trás dos montes. "Beca" acho parolo.

      Excluir
    2. Cacho só conheço de uvas.
      (e beca sempre é menos parolo que querer educar terceiros, como mencionas aí em cima)

      Excluir
    3. "Cacho" também significa "bocado"... Como em: "Dá-me um cachico de pão..." :))))) tenho esta frase gravada nas minhas memórias de infância e não sei bem porquê. O mesmo que "cibo"... "Estou um cibo aborrecida..." Conhecias?

      Excluir
    4. Estou com a Picante, a beca usa-se para julgar (actividade que está ali, mano a mano, com a difícil tarefa de educar)

      Excluir
    5. No fundo temos todos um pouco de juiz, uns mais que outros.
      Nê, em jovem eu dizia "coche". E o senhor meu pai atirava-se ao ar. O restante palavreado é coisa de jovenzinho.
      (ou de gente dos subúrbios, claro...)

      Excluir
    6. Não babe, "cacho" e "cibo" é coisa de velhinho rural mesmo... :)

      Excluir
    7. Cibo? Já aprendi uma palavra nova.

      Excluir
    8. Dá-me um cibinho/naco/bocado de pão :)


      "cacho" não conhecia (só o das uvas).

      S @ Litoral Norte

      Excluir
    9. O mais provável é ouvir: "catcho"... :)

      Excluir
    10. A minha Bisavó usava sempre as expressões "cibinho" (bocadinho) e "a modinho" (devagar). Agora fiquei com saudades!

      Excluir
    11. Ui... "A modinho"... Gosto tanto dessa! :)))

      Excluir
    12. Ca(t)cho/ Ca(t)chico é um termo mirandês (Miranda Do douro) que por acaso é a terra da minha mãe :)

      Cibo usa-se mais aqui em Bragança. Ambos servem para a palavra bocado/pedaço/fatia.

      Excluir
  4. Pipocante Irrelevante Delirante29 de dezembro de 2014 12:46

    Passos Coelho?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então, então?? Um discurso tão bonito...

      Excluir
  5. Ainda não encontrei uma boa versão portuguesa para a palavra "patronize" que em inglês representa perfeitamente essa... condescendência. Por trás do pseudo-conselho, está uma tão evidente vontade de evidenciar superioridade...

    Ah, mas no longo prazo, as cinzas deles serão tão mais bonitas do que aqueles a quem "patronizam" :)...

    Boa tarde, NM.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. x.!
      Pouca coisa me bulirá mais com os "ferrinhos de compor" (hoje deu-me para expressões antigas, nada a fazer :)), que este "patronizing"...

      Excluir