domingo, 26 de abril de 2015

Foi assim que eu vi acontecer.

Alguém prometeu controversa ventania para a próxima reunião, ui ui que aquilo é que ia ser. Outro alguém lembrou, olhos nos olhos, o reverso da medalha: que quem semeia ventos colhe tempestades e que isto, enfim, quem vai à guerra dá e leva.

O que prometera a ventania sentiu um calafrio na barriga e uma ligeira taquicardia, mas agora não havia volta a dar. Estava dito, estava dito e ficar desfocado na fotografia não era opção; nunca foi e há assuntos com os quais não se brinca. Alguma ventania tinha de haver, nem que fosse uma brisa, uma corrente de ar, um sopro... Isso! Ficar-se-ia pelo sopro!

Abençoado Google.... Foi só escrever "vela" para a situação se resolver nesse mesmo instante. Caramba... Que perspicácia! Ia fazer vítimas colaterais... Pois ia. Para aquilo parecer minimamente credível e não um plano B amanhado à pressa, se calhar tinha de apontar o dedo à tal da "vela" que o Google acabara de lhe apresentar, ainda que esta nunca lhe tivesse iluminado um dia, uma hora, um minuto que fosse. Mas bom, o que tem de ser tem muita força, e era aquela vela com cara que teria de se sujeitar ao vento em prol de uma imaculada (ainda que suada) imagem.

A anunciada ventania (na verdade um fraco sopro) lá aconteceu. O orador até pôs a figura da vela (em grande e em miniatura) no Powerpoint... De caminho foi irónico e fez piadolas, qual entertainer. E nós ali... A olhar para as velas... Não sabíamos onde, ou se, alumiavam o que quer que fosse, mas todos sabíamos que o lugar delas não era ali.

A mim deixou-me incomodada!

10 comentários:

  1. https://www.youtube.com/watch?v=s-IHMYd6Kx4

    Substituir o "finalzinho" por "início".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois não, Mi. De todo.

      Excluir
    2. Pois aí é que se enganam. Havia toda a necessidade. Coisas que a lógica explica.
      (que tristeza)

      Excluir
    3. A mim não me faz/fez sentido nenhum. Rigorosamente nenhum.

      Excluir
    4. Mas não é a ti que tem de fazer sentido, não é?

      Excluir
    5. Eeeeer... Não? Pois, suponho que não. A questão é que calce os sapatos que calçar vou sempre parar ao mesmo... Não havia necessidade.

      Excluir
  2. Respostas
    1. Ahahahahahahahah Pareces DESorientada...

      Excluir
  3. Não foi lá muito católico não...

    ResponderExcluir