segunda-feira, 30 de maio de 2016

O que já me estou a enervar com a merda do história do gorila...

E qual era a solução exactamente?

Dar-lhe com um tranquilizante, não era? Era pois... Porque sedar um animal selvagem de 200 kg é como sedar um bebé... Encosta-se-lhe um paninho muito branquinho ao nariz e ele... ZZZzzzz... Cai para o lado a dormir o sono dos justos. 

Só que não. Sedar um animal daqueles implica dar-lhe um tiro... Isso mesmo... Um ti-ro! Que é sentido pelo animal como isso mesmo... Como um tiro nos costados! E quando se é atingido com um tiro, reage-se de forma descontrolada e até se morrer (ou adormecer), é o salve-se quem puder. Até as galinhas correm sem cabeça, vede lá. A não ser que se trate de um gorila, claro, quando um gorila é atingido com um disparo, ele leva a sua mãozita à testa e deixa-se cair suavemente de costas, enquanto verbaliza: "Adeus, Mundo cruel!".

Pelo amor do criador deixai de falar na merda do tranquilizante que a criança provavelmente teria sido estraçalhada na hora. E de caminho dai o benefício da dúvida aos profissionais do Zoo, que se calhar percebem um bocadinho nada mais de animais que vocelências.

E se os pais deviam ser responsabilizados? Pois, se calhar, não sei. Não sei que proteções tinha o local. Se calhar a responsabilidade é única e simplesmente do Zoo, não sei. É um Zoo, um sítio onde se costumam e é suposto levar crianças, não é propiramente um estaleiro de obras... Os pais não podem ser responsabilizados a 100% de tudo. Se eu tropeçar e cair e nesses entretantos um dos meus filhos se esgueirar e cair na vala dos gorilas, se calhar é um bocadinho demais dizer que eu é que devia ter levado com um tiro nos miolos, não é?*

Defender que a criança devia ter sido deixado à sua sorte e ao discernimento de um gorila porque, afinal, os seus pais foram irresponsáveis e no fundo é ela que tem de pagar por isso é que é de animal.

* E por falar nisso... Olá Zoo de Santo Inácio! Aquilo da Savana lá com os rinocerontes e as zebras está muito giro, mas a segurança é zero! Ze-ri-nho! Uma criança pequena esgueira-se da beira dos pais em menos de nada e cai na vala num piscar de olhos.

14 comentários:

  1. Exactamente o que eu pensei quando a minha irmã-que-não-tem-filhos-e-é-obcecada-pelos-animais se pôs a ofender os senhores do Zoo ao dar a notícia na TV... Obrigada por verbalizares os meus sentimentos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Podem passar-se 2 minutos até o animal finalmente adormecer... Enfim. É falar-se daquilo que não se sabe.

      Excluir
  2. A vida de uma criança está em perigo? Não se pensa duas vezes, abate-se o animal. Ponto.

    Posto isto, lembra-me o caso que aconteceu no Zoo de São Francisco quando lá estava: uns jovens começaram a atiçar um tigre no seu poço (ao que parece de 9 metros de altura), o tigre passou-se, saltou, matou um deles, feriu outros dois e foi abatido antes que começasse a atacar mais gente.

    Em ambos os casos o que me vem imediatamente à cabeça é: como é que é possível num Zoo uma criança poder cair para perto de um gorila ou um tigre conseguir saltar uma vedação? Claramente as medidas de segurança foram ineficientes, e não se pode nem responsabilizar os visitantes, que obviamente se consideram em segurança ao visitar um sítio que é feito para adultos e crianças verem animais, e nem os animais selvagens, que apesar de estarem em cativeiro, são selvagens e que se comportam como tal.

    Agora o que é inadmissível é esta merda ter sido possível acontecer.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ora, nem mais. Sem tirar nem pôr, Luna.

      Excluir
  3. Nem me digas nada. Tb já me agastei mto com essa porra.
    E os comentários, por Deus! Mas nos comentários, uma das cenas q mais me indigna é estarem todos ultra mega revoltados contra a negligência dos pais porque...guess, guess, porque a negligência deles levou à morte de um gorila.
    Não porque a negligência deles (que foi logo tida como dado adquirido por esses comentadores) podia ter levado à morte de um criança. Para isso tão-se a cagar pelos vistos.
    Mas anda tudo doido??!
    E depois essa questão da solução. Mas essa malta acha quem trabalha ali (na maioria dos casos, são quê, caçadores é? Acham mm q n lhes custa matar aquele animal? Acham que se os especialistas no assunto achassem q os tranquilizantes eram uma solução viável tinha dado um tiro ao bicho só naquela do sadismo, era.
    Fonix, é q p além de parvos são burros!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É isso é. A nós custa-nos muito, mas a quem trata dele diariamente não.

      Excluir
  4. Quando a minha filha tinha dois anos desapareceu do meu lado quando eu lhe virei as costas por uns segundos. Saiu da frente da nossa casa e deu a volta a esquina num tempo que eu julgava impossivel. Procurei atras de carros, no nosso jardim, fui ate a esquina e ela nao estava nessa rua, chamei (gritei) por ela, os vizinhos procuravam-na tambem. Eu jurava a pes juntos que nao era possivel ela ter virado a esquina, mesmo com a trotineta. Completamente em panico, decidi ir ate ao parque infantil onde queriamos ir, mesmo ao pe de casa, mas atravessando uma rua e la estava ela a brincar contente da vida. Eu deixei cair-me no chao e uma vizinha e que teve que ir avisar o resto das pessoas que ja a tinhamos encontrado (so tinham passado alguns minutos). Eu nao me consegui mexer durante algumas horas.

    Se lhe tivesse acontecido alguma coisa a culpa era minha? Provavelmente...segundo a maioria da internet seguramente. Mas gostava de perguntar a todas essas pessoas quantas vezes na vida tiveram momentos (mesmo que so segundos) de distraccao? Quantas dessas pessoas estao convencidas que as criancas nao se conseguem mexer em segundos e colocarem-se em situacoes possivelmente perigosas? Eu antes de ter os meus filhos provavelmente tambem achava que seria mais facil, mas tenho um filho de tres anos que e meio enguia meio macaco (a minha filha nunca mais fez cenas malucas), que na maioria das vezes ouve quando lhe dizemos para parar, mas nem sempre, e eu nao o posso ter sempre atado a mim. Sim damos a mao, falamos dos perigos, estamos sempre com os olhos em cima, mas a diferenca entre o impossivel e o possivel e bem mais pequena do que a maioria pensa.

    Quando uma crianca pequena diz qualquer coisa de muito inteligente ou demonstra uma grande aptidao fisica, todos batem palmas. Mas achar que uma crianca de 4/5 anos nao consegue pensar "se eu me esgueirar por ali consigo passar para o outro lado" e por em practica esse pensamento em pouco tempo, isso e que nao, de certeza absoluta que os pais o deixaram por algumas horas sozinho enquanto ele ponderava a melhor maneira de ultrapassar as barreiras. Pode ter havido negligencia da parte dos pais, pode ter havido um momento de distraccao, pode ter havido uma mao que se larga a forca e um miudo agil...e por muita pena que tenha do gorila a seguranca da crianca era o mais importante.

    Ana da Alemanha(que pede desculpa pelo grande testamento)



    ResponderExcluir
    Respostas
    1. (Que venham grandes testamentos. :))

      Neste caso do Zoo, concordo inteiramente com o que disse a Luna. O Zoo é que tem de garantir condições de segurança. Proteger as crianças é função de todos. Não estamos a falar de uma criança crescida que salta um vedação, estamos a falar de um bebé.
      E sim, todos os pais já tiveram momentos de sorte e só por sorte não tiveram um azar enorme com os filhos. Nunca se está 100% atento. (Lembro-me de uma vez que o Jr. estava muito sossegado a comer um bolo, o guardanapo caiu-lhe, foi arrastado pelo vento e ele foi a correr atrás dele, para a estrada, para o apanhar. Estávamos numa esplanada. Do nada, levantou-se da cadeira e correu para a estrada "porque não se atiram papéis para o chão". Valeu um senhor que estava no passeio e o agarrou...)

      Excluir
    2. Este fim-de-semana dei com a minha filha de 6 anos sentada num corrimão. Atrás dela um vazio de 3 metros. A filha de uns amigos dos meus avós, há muitos anos, gatinhou pelas pernas da mãe e caiu pelo espaço que fica entre o chão e o começo do parapeito tendo morte imediata. A minha outra filha correu de um passeio para o meio da rua em menos de 2 segundos e eu bati o record de salto em altura para a agarrar. Como dizia o meu pai "tudo pode ser, tudo pode acontecer". Negligência? Talvez sim, talvez não.

      Excluir
    3. Esquece... É fazer-se o melhor que se pode, educá-los para a noção do perigo e esperar que corra bem. (Brrrr... Até fico com arrepios na espinha só de pensar... Como se lida com a culpa se o pior acontece?!)

      Excluir
  5. Infelizmente o que mais me choca, é as pessoas dizerem à boca cheia que o gorila não estava a fazer mal à criança... E que é um animal protetor: É pah só me apetece dizer para, então, vamos soltar todos os gorilas do zoo e socializar com eles! Estas pessoas se vissem um gorila daquele tamanho à frente cagavam-se todas, e as ideinhas de proteção dos animais e blá,blá, blá, varriam-se logo da mente! Gente sem noção, mesmo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim. Porque é o que os gorilas fazem instintivamente, cuidar de bebés humanos que lhe aparecem à frente. (Até poderia não lhe fazer mal, nunca saberemos. Mas é um risco que não se pode correr.)

      Excluir
  6. O pior que eu li mesmo foi dizerem que tinha de haver outra solução e nunca a morte do animal, que até temos "sobrepopulação" no mundo.
    Dá vontade de pedir a todos esses que se suicidem, sinceramente.

    Uma das melhores respostas que eu li foi que quando estivessem a ser atacados por um animal feroz não pedissem ajuda, aguentassem firme as dores, as dentadas e as patadas porque uma vez que há população a mais eles também não fazem cá falta nenhuma. Que, aliás até poderiam ir para África servir de refeição aos animais famintos...

    O meu medo é que essa gente existe! Como é que é possível colocar-se em causa a vida de 1 criança inocente?! Santa paciência.

    Ps: No zoo da Maia a mim não me convence de segurança onde os leões estão... e no de Lisboa a parte do "teleférico" a passar por cima daquilo, completamente aberto, também não. Era tão fácil uma criança cair dali, uma pequena distracção, um pequeno solavanco...just saying

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu, optimista inveterada, gosto de pensar que as pessoas não pensam nada disso... Que só dizem o que dizem para ver o circo pegar fogo.

      (Só fui uma vez ao Zoo da Maia e, sinceramente, já nem me lembro como aquilo é. Entretanto, responderam-me do Zoo Sto Inácio e dizem que vão rever a situação de que falei no outro post e reforçar a segurança. Fiquei contente.)

      Excluir