quinta-feira, 25 de setembro de 2014

A propósito disso de não haver Super-Heróis se não houver vilões...

Bem sabeis que a investigação médica/farmacêutica movimenta zetabyttes de dinheiro e emprega milhões de pessoas por todo o Mundo... 

Fiquei então a pensar se, numa qualquer instituição de investigação do cancro, se descobrisse uma cura milagrosa para a doença... Se se descobrisse algo financeiramente comportável (barato, até) que numa toma única curasse todo e qualquer tipo de tumor... Se assim, como que num passe de mágica, se pudesse irradicar o cancro da face da Terra como que do dia para a noite... 

Estava para aqui a pensar se esse milagre da ciência veria a luz do dia...

19 comentários:

  1. Talvez não... E isso é muito triste. O cancro é um fdp, ninguém precisa de sofrer tanto para morrer. :-(

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois... É precisamente isso que eu acho...

      Excluir
  2. Não via, como não viu.
    Irradicar todo e qualquer tipo de tumor? Mesmo quase em fase terminal? Há quarenta e cinco anos apareceu. Depois quem mostrou desapareceu. Pelo menos nunca mais soube ou ouvi falar dele.
    E olhe que não tem nada de milagroso.
    Corvo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cirurgia, não foi? A cirurgia ainda vai resolvendo...

      Excluir
    2. Não! Três colheres por dia de um milagroso óleo durante dez, doze dias, e não há; (havia que agora é muito complicado arranjá-lo) tumor que não desapareça de vez.
      Até a sida. Até em estado terminal.
      BFS
      Corvo.

      Excluir
  3. Como eu sou uma pessoa optimista, acredito que sim.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não sei ana, não sei... É uma indústria poderísima (a farmacêutica)... Talvez a mais poderosa a seguir às petrolíferas...

      Excluir
  4. Essa é uma possibilidade assustadoramente real. Veja-se o que se passa com a indústria automóvel e afins dependentes do petróleo. Já há tecnologia para prescindir do petróleo, quando há crises nos fornecimentos, essa tecnologia dispara. Depois abranda... Não acredito em coincidências. Dizem que somos governados por 10 empresas e isso explica tanta coisa...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com o cancro não me parece possível... Porque há muitos tipos de cancro, originados por muitas situações. Nem me parece correcto falar "NUMA doença"... às vezes mete-se tudo no mesmo saco e isso não é correcto. Há muitos médicos que nem dizem "tumor", dizem "lesão"... Mas há muitas doenças em que sim, em que se poderia descobrir uma cura milagrosa... Ou para um determinado tipo de cancro... Acho que a rapidez com que tal medicamento viria para o mercado seria inversamente proporcional ao dinheiro e pessoas envolvidas na sua investigação, bem como ao lucro da indústria farmacêutica com a terapêutica "tradicional".

      Excluir
  5. ....tu és uma optimista.....ahahahaah
    olha agora, assim numa toma, e barata.....ahaha
    não era para riri, não.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não, não era para rir... era um "suponhamos"..

      Excluir
  6. Por acaso já ouvi falar que há/houve uma suposta descoberta que poderia acabar com o cancro (ou seja, algo que acabaria com o crescimento incontrolável de células) mas que isso não viu a luz do dia porque as empresas farmaceuticas não o permitiram.
    Existem até alguns relatos no Youtube sobre essa situação (muito fidedignos, portanto). Mas lá está mesmo concretamente nada se sabe, nem saberia não é?

    O que eu sei é que a tia do meu marido com cancro de mama foi-lhe proibido qualquer método/medicação extra-hospitalar mas ela ignorou esse concelho, foi a um senhor que fazia umas mistelas (aquilo era nojento), pegava em ervas, plantas, etc. Tinha uns 3/4 jarros que ficavam sempre no frigorífico com coisas diferentes (todos tinham cores diferentes no final) e ela tinha que tomar aquilo pela ordem certa, às horas certas (como medicação). Verdade é que segundo o hospital era impossível ela estar a melhorar tão rapidamente, passou de ter um prognóstico muito reservado que teria que incluir uma mastectomia, etc e a verdade é que não só o cancro reduziu como também não foi necessário retirar a mama.
    Agora falta saber que foi "sorte", se foi algum efeito placebo ou se realmente aquilo funciona. E se funciona e um senhor qualquer com medicina alternativa/métodos antigos o sabe também qualquer empresa farmacêutica tem acesso a esse conhecimento!

    Ps: o senhor que fazia as misturas é de algures de Sto Tirso e não lhe levava nada pela medicação. Portanto, zero de lucro o que nos deixa ainda mais pasmados com a situação -se fosse "burla" e aproveitar-se da desgraça alheia ele levaria dinheiro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não acredito que tampouco seja possível achar uma cura milagrosa para o cancro no seu todo até porque, lá está, são de certa forma doenças diferentes (o cancro da mama, tiróide, hepato-biliares, pele...).
      De resto... Aquilo que os médicos sabem ainda é muito pouco sabes? Isto é tudo muito recente. Nada é certo. Ninguém pode dizer "isso não funciona" ou"é impossivel melhorar em tão pouco tempo". Cada organismo é único e cada um reage de forma diferente aos químicos (ou produtos naturais). Por outro lado, tudo leva a crer que a química do cérebro é poderosíssima. Aquela coisa que os médicos dizem do "querer curar é meio caminho andado" não é só conversa... Os placebos curam mesmo!

      Excluir
  7. Não! Nê, tu nem me digas que já...
    Carambas, não, claro que nunca veria a luz do dia!
    (Mas já...?)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não babe... Infelizmente ainda não e, por tudo o que já disse em cima, nem me acredito que vá acontecer... (Mas... Deus queira que eu esteja enganada!)

      Excluir
  8. no que toca a este assunto, diz a medicina que o cancro se há de tornar uma doença crónica. vem, toma-se remédio, controla-se, mas fica sempre a fazer-nos companhia, à espreita de oportunidade. no entanto, retiram-lhe a carga mórbida que comporta hoje. não sei, a hipótese da cura total e barata, e para todos, agrada-me mais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. diz que sim, diz que sim. A SIDA, por exemplo, se devidamente acompanhada já quase que está nesse patamar de doença crónica.

      Excluir