sexta-feira, 21 de outubro de 2016

Da paciência, da condescendência e das vacas que não dão leite.*

Ele sabia que a tinha. Sabia-lhe o amor. 
Um dia decidiu que queria um tempo afastado para, enfim, "respirar e sentir-te a falta". 
O problema não era ela. 
Obviamente. 
O problema era ele. 
Claro.

Sem perceber o porquê ela assentiu. Que mais poderia fazer? 
E ele lá foi respirar, enquanto ela lá ficou a soluçar.

Passaram-se sete dias e sete noites até que ela lhe foi indagar pelo seu precioso tempo. Olhos inchados, faces pálidas e coração partido. Súplicas de amor. 

- " Já tiveste o teu tempo?"

- "Ainda não."

- "Não?! Quanto mais precisas?"

E ele, a vê-la ali assim, frágil, diminuída no discernimento e à míngua de atenção, sorriu-lhe com condescendência, passou-lhe a mão na cabeça e disse:

- "Sabes... Uma vez o meu avô disse-me uma coisa que nunca mais me esqueci... Ele disse-me: 'Toda a erva dá leite.' E é verdade... Toda a erva dá leite. É tudo uma questão de paciência."

Passaram-se mais sete dias e sete noites e ele foi procurá-la, estranhando-lhe o silêncio. Já tinha tido o seu tempo. Já a queria outra vez. Oh, com que certezas a queria. Que saudades... Que ganas lhe tinha, valesse-lhe o criador.

O recíproco é que já não era verdade. Encontrou-a novamente pálida e de olhos inchados. Inerte, encostada à ombreira da porta da entrada, ela dizia-lhe, incompreensivelmente e sem o mínimo de emoção, que não, que já não, que a ela se esgotara o tempo. 

E ele não percebia... Pois se ele tinha certeza que a teria sempre. Para sempre. 

- "Mas... E o amor que me tinhas?"

- "Não te sei explicar... Desapareceu."

- "Mas desapareceu como?"

- "Como se uma vaca o tivesse comido."

E foi rigorosamente assim. 

Aquele amor desapareceu, engolido por uma vaca que, como todas, só dá leite se a ordenharem.

* Nada de autobiográfico, ok? ;)

8 comentários:

  1. parábola, metáfora?
    pode dizer-se: a vaca que comeu a erva que dava leite, era tudo perene, vai-se a ver caducou ali, qualquer coisa importante?
    Bom fim de semana, NM.
    Mia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não sei que me deu, Mia... Deve ter sido qualquer coisa que me caiu mal ao jantar. :)

      Bom fim de semana!!

      Excluir
  2. Será que vem daí a frase "o amor era verde, veio uma vaca e comeu-o"?

    ResponderExcluir
  3. No meu caso foi autobiográfico (mais coisa menos coisa).
    Na realidade foi ele que pediu o tempo mas fui eu quem viu que não gostava assim tanto dele. Quando ele voltou para falar de "nós" eu tive de lhe explicar que não havia um nós.
    É engraçado como eu passei quase de um cão amestrado, sempre atrás a beber todo o "amor" que ele me dava, a perceber que estava muito melhor sem ele, sem o sufoco daquela relação.

    Por fim, aconteceu algo que eu nunca imaginei...quem andou atrás de mim foi ele. Durante quase 1 ano até que desistiu.
    Para mim ficou a lição que o amor não é aquilo e que não pretendia ter mais nenhuma relação como aquela.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O tempo corre igualmente para quem o pede e para quem o dá e as conclusões chegam dos dois lados. :)

      Excluir
  4. Tão bonito, NM.
    :)
    Luciana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A vaca comeu o amor... Ooohhh... :DD

      Excluir