terça-feira, 26 de maio de 2015

Conheceis a história d'O Barão Trepador, de Italo Calvino?*


É uma história muito divertida da qual me lembrei assim de repente enquanto olhava pela minha janela. 

Porquê? Ora, porque vejo daqui um grilinho que leva a vida equilibrado em cima de um arame. Mas num equilíbrio exímio digo-vos eu... É um grilinho muito engraçado, com umas asinhas muito fofas que parecem mesmo mesmo um fraque... Sempre a fazer Cri-Cri-Cri-Cri este grilinho equilibrista, lá do alto do seu arame.

Como é que o grilinho se alimenta? Com o que lhe chega, quer da esquerda quer da direita. 

Como é que o grilinho se entretem? Com o que vê, quer à esquerda quer à direita. (Às vezes fica embasbacado a olhar para um dos lados, vai-se inclinando inclinando, fica toda a gente expectante: ai ai ai ai é agora que ele se vai comprometer ai ai ai, mas num repente ele acorda... "Wow!" Começa a dar aos bracinhos para trás, a dar, a dar, com uma velocidade espantosa se atendermos que é um grilo, até que retoma a posição inicial, "Ufa!", engole em seco, ajeita as abas do fraque imaginário e olha em volta a ver se alguém reparou que ele até estava de boca aberta e tudo. Acto contínuo, já é irreflectido, olha para o lado oposto e acena...) 

Como dorme? Ora, equilibrado no seu arame então: perninha para um lado perninha para outro, bracinhos também, asinhas idem aspas, anteninhas tal e qual... 

Os cocós e xixis? Ora ora, esses é que o nosso grilinho não descura mesmo... Se faz um xixi para um lado o próximo é de certeza para o outro (xixi mililitricamente distribuído, digo-vos eu), se faz um cocó para um lado o próximo é, seguramente, para o outro (mas cocós geometricamente iguais, numa espantosa técnica apurada ao longo de décadas, quiçá séculos segundo alguns relatos).

Um grilinho muito castiço este... Previsível, mas castiço.


* E aquela expressão de "Uma no cravo e outra na ferradura", conheceis?

24 comentários:

  1. Não gosto de grilos. Gosto de outro tipo de animais.

    ResponderExcluir
  2. Talvez o grilinho saiba que, às vezes, nenhum dos lados é o mais certo. Portanto, o grilinho põe um pé no lado, outro no outro, porque os dois lados têm coisas boas e coisas menos boas. Digo eu, que os grilos até são inteligentes - não têm palas, conseguem ver mais que um lado. Eu cá sou grilo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Eu cá sou grilo." é do best :DDD O que vale é que há espaço para todos neste supermercado de Deus.
      (O tomar partido numa determinada situação é tudo menos ter palas nos olhos. Já o assumir, por defeito, a postura do "dar uma no cravo e outra na ferradura"... Por defeito (ou sistematicamente) repito e sublinho... Tenho para mim que é só a postura mais fácil.)

      Excluir
    2. NM, como assumi que te estavas a referir ao caso do momento, nada tem de postura fácil. É mesmo porque não acho que nenhum dos lados esteja certo. ;) Nem o que começou, nem o que tentou acabar mas ainda fez mais barulho.

      Excluir
    3. Ah não... Assumiste mal... Refiro-me a todo um modo de vida. (Mas no "caso do momento", para mim não há discussão possível. E não é por envolver uma "amiga" minha. Independentemente de quem envolvesse... Nunca em nenhum momento compactuarei com tentativas de intimidação e ameaças veladas. Nunca e em nenhum contexto.)

      Excluir
    4. Agradar a gregos e troianos revela falta de personalidade, por exemplo.

      Excluir
    5. Anónimo, se me importasse com o que iriam achar, nem sequer me metia em blogues que geram polémica. Não vá por aí...

      NM, evidentemente. Nisso dou-te toda a razão. O que não invalida que entenda que as pessoas se queiram, de alguma maneira, "vingar". Mas essa não é a forma.

      Excluir
    6. Olha S*, chamando os bois pelos nomes (salvo seja, claro) toda esta história me parece surreal. Se há blogger que devia ter "arcaboiço" para aguentar críticas ou gozos ou dedos apontados ou o que quer que seja é a ME pela forma crua(?) como expressa aquilo que pensa, doa a quem doer. Já lhe li comentários desprezíveis sobre ciganos, chineses, mãezinhas que de repente ficam acéfalas... Dali já vimos de tudo. E quem fala assim... Pronto, não é gago tudo muito bem, mas às tantas perde autoridade moral para exigir "respeito" pela sua pessoa (ainda por cima usando termos como "anormal de merda" e quejandos, criando posts "estrategas" ai coitadinha de mim, falando de um suposto comentário rejeitado que eu punha o dedo mindinho num cepo em como nunca existiu, apagando posts onde arma o barraco com injúrias e ameaças como se nada se tivesse passado, dando pistas mais que evidentes para se chegar à identidade de uma pessoa). É muito xico-espertismo junto.
      Depois, e em orimeira instância, a PMD que critica tudo e mais um par de botas vir armar aquele arrail por causa de uma opinião sobre sapatos... A isso acresce o primeiro post dos Globos de Ouro onde satiriza as pessoas que ficam melindradas por ela falar mal dos seus vestidos... Bom... É anedótico. A incapacidade que as pessoas têm em se ver ao espelho é de facto anedótica. (E eu não digo que não seja igual atenção, não sei se sou ou não). E pronto... Perante isto e a partir daqui... Levo a sério estas pessoas como? Caramba... Não há como, foi tudo muito pequenino...

      Excluir
    7. Não devemos fazer aos outros o que não gostamos que nos façam a nós - uma das minhas máximas.

      Excluir
  3. Hi pá só para dizer que o que percebi deste post foi zero!
    Beijinhos ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ahahahahahahahah cá beijinho (e assinar não? Qualquer coisinha, nem que seja uma letra, só para eu ter a certeza que és sempre a mesma que anda aqui aos papéis e me rir à gargalhada... :DD)

      Excluir
  4. Se esta história fosse minha tinha escolhido o gato para ator principal.
    Quando cai para um lado assanha-se com o outro e dá uma unhadas valentes.
    Depois quanto tem fome lá vem roçar-se na pernoca e miau que não sei quê e miau que não sei que mais.
    (Sem desfazer no grilinho coitadinho)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha, olha... Pobre grilo, afinal sempre é um incompreendido... O meu grilinho não é desses Uva, o meu grilo não é cá de falinhas mansas, o meu grilinho faz-se ouvir e aponta o dedo... Cá gatinhos agora...

      Excluir
  5. Querida NM,
    "Viveu sobre as árvores. Amou sempre a terra. Subiu ao céu."
    (Gosto do livro. No mais, estou como o anónimo que percebeu zero.)
    Um beijo,
    Outro Ente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Moral da história: em se saindo da Classe das Aves, Superordem Neognathae já ninguém percebe nada. ;DD

      Um beijo.

      Excluir
  6. Venho só cá dizer e devido à falta de tempo para mais, que um banano nos cornos nunca fez mal a ninguém.
    Pelo contrário.
    E esta é só mais uma situação em que houve uma grande falha nesse sentido.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha... Nem sei que te diga.

      Excluir
    2. O mal é esse, dizeres que se estivesses calada era uma poeta.
      nunca mais te vais fartar da má língua. Por que no te callas,

      Excluir
    3. Porque não me apetece?

      Excluir
  7. Só não percebo é porque determinados grilos têm tanta necessidade de ir cantar para terreno alheio. Têm o deles para conspurcar, mas lá está: a necessidade de aparecer é maior, e gostam de ter terreno para os seus cocós, da mesma forma que gostam de ter terreno para largar babá. (que alguns mais parecem caracóis, pelo ranho que largam à sua passagem).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caríssimo... As pessoas têm o direito de se expressar onde muito bem entendem e lhes é permitido e aqui nos blogues as caixas de comentários servem para as pessoas... Comentarem! Odeio juízos de intenções, cada um é como cada qual, há espaço para todos e isso. Por mais geral que seja acho este comentário do mais feio que já vi nesta blogoesfera...

      Excluir
  8. "Atirar a pedra e esconder a mão" também me parece boa. É que a sonsice chega a extremos quase patológicos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Há pessoas que não gostam de confusões e o que se escreve é quase sempre dado a várias interpretações. Há outras que sim, que escondem a mão. As primeiras não são sonsas. As segundas sim.

      Excluir