segunda-feira, 18 de maio de 2015

Avulsos.

1. É irrelevante se o homem cuspiu ou não, mas é relevante saber que para a polícia isso tem relevância justificativa.

2. Os polícias são muito mal tratados. Os polícias são muito mal pagos. Muito. Os policias andam com os nervos em franja. Os polícias são tratados a pontapé. Os polícias andam armados. Os polícias são homens de músculo. Muitos polícias, se não fossem polícias, eram delinquentes. Os policias não andam felizes. Os polícias são a classe profissional com mais suicídios. Não estou a desculpar nada, mas devíamos tratar melhor os nossos polícias.

3. Multidões eufóricas são uma bomba relógio e o bater de asas de uma bela borboleta pode atear fogo ao rastilho.

4. Não se levam crianças para ambientes propícios a confusões. Pode ser preciso correr e elas além de não acompanharem o passo são facilmente abalroadas pela multidão em fuga. A culpa não é da multidão. A multidão é irracional.

5. Se por cada piada a propósito das calinadas do Jorge Jesus se recebesse uma resposta automática com um recibo de vencimento seu, às tantas gozava-se menos com a "burrice" do homem.

6. Arrefeceu o tempo ao fim do dia. Hoje vesti uma túnica de ganga, calças de algodão e sandálias. Cheguei a casa às 8 da noite. Estacionei o carro na rua. Por causa do vento frio tive um choque anafilático. Cheguei a casa à beira de perder os sentidos, com a pele toda empolada e uma comichão horrível. Por favor, pela vossa segurança, quando alguém vos disser que é alérgica ao frio controlem a cara de gozo e não respondam que sim senhora também são muito friorentos. Pela vossa segurança, repito.

7. Os programas de matemática do ensino básico estão de uma exigência absurda, quer em extensão quer em complexidade. Se eu tentar ensinar uma criança de dois anos a ler, eu não estou a ser exigente com ela. Estou só a ser estúpida. Pronto, basicamente é isto que se está a passar no ensino da matemática.

37 comentários:

  1. Olha em relação a isto só tenho a dizer que no ponto 2 não é "senão", é "se não", tá? De nada. Beijinho e boa noite pra vocês.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pronto pronto. Já está. (Mas só por causa das coisas vou-te deixar pendurada no whatsapp outra vez... :DDDDDD)

      Excluir
  2. Querida NM,
    Um choque anafilático por causa do frio? Deve ser daqueles que se resolvem com uma chávena de chá quente, não?
    O ambiente estava propício a confusões antes de a confusão eclodir? Não reparei. Eu ainda sou do tempo em que ir à bola era programa de família. Primos incluídos.
    Um beijo,
    Outro Ente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não Outro Ente... É um choque anafilático como um choque anafilático é. Trata-se com anti histamínicos. É uma alergia como outra qualquer. Mas mais rara (e incompreendida).
      A criança em Guimarães estava no meio da claque que ainda estava retida dentro do estádio. Ela estava já fora porque se sentiu mal e a polícia deixou-os sair antes dos outros. Era em Guimarães. O Benfica. Jogo do título. Não, não era local para uma criança estar. Muita coisa podia correr mal. Corre sempre.

      Excluir
    2. E um beijo meu querido Outro Ente... E um beijo... :)

      Excluir
    3. Por acaso tb acho essa questao de n se deverem levar crianças algo um pouco discutível. Ou por outra, n acho q deva ser argumento. Se a sociedade n se sabe comportar é mau, mas n vamos dizer q a culpa é do pai q levou a criança p ali. Tal como n dizemos q a culpa é da moça, q calha ser jeitosa e levou um decote generoso, pelo q, estava a pedi-las...

      Excluir
    4. Me, daquilo de Guimarães o que menos me incomodou foi a criança a chorar. Sinceramente. Incomodou-me mil vezes mais a forma como se viraram ao idoso. A criança estava no meio da claque e por isso se sentiu mal. E as claques são delinquentes e só querem confusão. Em Guimarães o ambiente é particularmente hostil. É perigoso. Há petardos a rebentar, há gente alcoolizada. Não é sítio para de ir com uma criança. Mesmo dentro do estádio há sítios mais seguros. Ali não.
      E isso do decote... Uma coisa é eu decidir correr um risco, eu assumir que não vou tolher as minhas escolhas por medo, outra coisa é eu decidir por terceiros. Os meus filhos não são minha propriedade. Não tenho o direito de tomar por eles uma atitude de risco. Posso tomar por mim, por eles não. E uma multidão é uma multidão. Uma multidão não é, sequer, a sociedade. Uma multidão vira irracional rm menos de nada, é o salve-se quem puder. Nao se pede calma a uma multidão... Por isso, não digo que a culpa foi do pai de a criança ter.visto a policia actuar assim, mas que aquilo não é sítio para uma criança estar não é... E mais te digo, se por acaso, a criança tive sido pisada dentro do estádio onde estão milhares de pessoas ao monte, porque um petardo rebentou ou um gradeamentos caiu e as pessoas se assustaram e fugirqm cimo conseguirdm, era tudo a bater neste pai, que ali não era sítio para estar uma criança. e não é. Mantenho que não é. (Estou do tlm, espero que se perceba alguma coisa do que quis dizer. :))

      Excluir
    5. NM, eu percebo. Eu n digo q criança minha fosse p aquele lugar em concreto, n iria.
      Mas já li mto comentário q critica e q diz q a crianca n devia estar ali. E isso custa-me. Porque o errado, p mim, é o facto dos espectadores e claques em particular se comportarem como animais e homens das cavernas!
      É claro q compreendi :)
      Mas atenção, esse risco das multidões existe em todo o sítio. O pânico gera isso. Imaginem o que teria sido ter acontecido algo no concerto da violeta...local, no entanto, cheio de crianças.

      Excluir
    6. Sim, mas ainda assim... Na Violeta não deve rebentar um petardo... Ainda assim, há multidões e multidões...

      Excluir
  3. Concordo especialmente com o ponto 2 e com o ponto 7! Sou psicóloga, farto-me de ver policias deprimidos e desequilibrados emocionalmente.... Tenho três filhos no ensino básico e odeio matemática!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A matemática também é incompreendida... Uma disciplina tão bonita.... A mais bonita. É uma pena anónima, é uma pena! Era aproveitar para voltar a estudar agora com eles... :)

      Excluir
    2. Nem que eu quisesse.... Os programas estão tão parvos que até o do primeiro ano me enerva!

      Excluir
    3. Eu também sou psicóloga e sempre adorei matemática (serei provavelmente a única que conheço assim, eu até gosto de SPSS e afins, aliás eu do SPSS gosto particularmente de fazer as contas à mão ).
      Também sempre fui aluna da área das ciências naturais e afins, talvez seja por isso, a verdade é que o programa é que é irritante mesmo. Mas o mal começa logo no português com o novo AO e começa com a parvoíce que se encontra no de matemática.

      A única certeza que tenho após os ler é que quem os fez não sabe (ou não quis saber) nada acerca do desenvolvimento infantil e de pedagogia actual.

      Excluir
    4. Não sabem. Quem fez aquilo nunca lidou profissionalmente com crianças. São profs de faculdade. Obviamente que deviam ter sido professores do respectivo ciclo, mas não... Acho que esses não são suficientemente bons...

      Excluir
  4. Este programa de matemática vai fazer com que muitos alunos desistam da desta disciplina. Que cheguem ao princípio do ano lectivo e a ponham logo de parte, assumindo uma negativa.
    É de facto uma pena que não se consiga ensinar a matemática de uma forma adequada e equilibrada.
    Tenho uma filha no 4º ano que até ao 3º ano até gostava de matemática. Agora anda literalmente às turrras e totalmente frustrada. Já para não falar do pavor que tem em relação a disciplina. Um absurdo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois vai. Vai mesmo. Mas olhe, não foi por falta de aviso... Ainda aquilo estava em rascunho...

      Excluir
  5. NM, eu que até gosto tanto de si, não gosto nada deste post. Então diga - me lá, se fosse alguém seu a apanhar da polícia naquele despropósito também ia parar para pensar nas limitações da vida de um polícia? Uma pessoa que vai à bola em família não é um arruaceiro. As crianças adoram ir à bola. Se calhar é melhor não ir a lado nenhum até os miúdos terem 1,80 m... Sim, ok, posso ir pela fresca e não voltar cá mais, ok...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eh pah...Matais-me! :D e eu disse alguma coisa parecida com isso sequer? eu condenei logo nessa noite o policia. Logo. Na hora. Era exonerá-lo. Não preciso que tivesse acontecido com alguém meu... O que eu digo é que os polícias andam em descompensação. São bombas relógio. Que no fundo não me admira que isto aconteça. Perdem a cabeça. São humanos. não desculpa nada. Rigorosamente nada. Mas deviam ser mais e deviam ser mais bem pagos. É aquilo do you pay peanuts, you get monkeys.
      De resto, num estádio há sítios e sítios para estar... (Ver comentário acima à Me.)
      (E eu alguma vez diria para ir dar uma volta por expressar uma opinião?? Diz que gosta de mim, mas olhe que me conhece mal... :))

      Excluir
  6. Eu vinha comentar era o ponto dois, mas depois achei que não valia a pena. Há muito que os polícias não valem a pena.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como assim não vale a pena? Não percebi...

      Excluir
    2. Nada disso é desculpa para o péssimos serviço que há muito fazem. O principal seria servir e proteger o cidadão. Isso de serem mal pagos é muito relativo e ser bem pago não passa só por um vencimento avultado. E o que não lhes falta são regalias. Bombas-relógio? Não somos todos? E isso dá-nos direito a exactamente o quê? A menos que estejamos a planear um novo vinte e cinco de abril, dá-nos o direito de mamar a bucha e seguir em frente.
      Ninguém anda feliz com isto, doll. Bonito é não direccionar esses sentimentos para o mais fraco.

      Ah, também sou do tempo em que ir à bola era coisa da família inteira. Parece-me um argumento cacete.

      Excluir
    3. Não lhes dá direito a rigorosamente nada nem lhes desculpa rigorosamente nada, nem eu disse o contrário. A questão é que se eu, por coisas da minha vida, de pressão no trabalho, tiver um esgotamento nervoso e numa paragem cerebral mandar com a albarda do ar. Ninguém morre. Posso ser despedida mas não mato ninguém. Um polícia não. Um polícia traz por dever profissional uma arma à cinta. Um cirurgião também não pode ter uma ataque de pânico, pois não? Um piloto também não... Um contabilistas pode. Um juiz também. Tudo é remediável. O estado devia andar especialmente preocupado com a saúde psiquiátrica de quem protege a população. Mas isto não justifica nada. Volto a repetir. Só digo que são humanos e que estão a viver uma situação de stress tal que não me admira nada (mas condeno veementemente repito o sublinho) que tenham paragens cerebrais. Mas sim, quem não quer ser lobo não lhe veste a pele.

      (Quanto a essa ultima parte. Levavas o teu filho para o meio de uma claque? Eu já levei o meu filho ao futebol, mas nunca por nunca o levaria para o meio de uma claque.)

      Excluir
    4. Eu não sou polícia nem ando armada, mas posso matar, caso me passe da marmita. Coisa que cada vez acontece mais. Estou sempre em stress, sempre com uma pressão terrível, toda a gente a chatear-me a moleira, pá, não está fácil, lá está, não está fácil para ninguém.
      Toda a gente pode ter um ataque da pânico, o fim pode efectivamente ser trágico.
      O que acabei de dizer foi que os polícias gostam de abusar do poder (e a prova é que a maioria deles anda armado mesmo quando não está a trabalhar) e usam-se da pressão e más condições laborais para o justificar.
      O meu filho tem dois anos. Quando tiver a idade irá, sim, eu também fui, quer a jogos importantes, quer a concertos. Não me parece que isso seja factor determinante para levar no focinho de um polícia desnorteado.

      Excluir
    5. NM, eu não sei se o miúdo estava no meio da claque, sei sim, porque já me vi numa situaçao semelhante, que os adeptos dos clubes visitantes, sejam claque ou não, são colocados em bancadas próprias e que, no final dos jogos ficam retidos dentro dos estádios até as autoridades considerarem segura a saída. Se durante esse tempo houver molho na bancada, apanha toda a gente, claque, adepto em família, quem ali estiver. Eu, que tanto gosto de ir à bola, gosto mais ainda de poder abandonar o estádio mal me apeteça, ainda que tenha a camisola do adversário vestida. Aquela família estava no meio dos benfiquistas que ficaram retidos no estádio. Há relatos de adeptos que já chegaram a ficar retidos uma hora e meia num estádio. Se uma multidão em fúria é mesmo uma bomba atómica se calhar há procedimentos que deviam ser revistos. Se calhar tinham mandado calar o presidente do Vitória quando disse que não queria benfiquistas a festejar em Guimarães. Essa agora? Então eu, que sou sportinguista mas sportinguista, só posso comemorar a vitória do meu clube no parque de autocarros do Campo Grande? Os cenários montados à volta, por pessoas com responsabilidades, ditam, na maioria das vezes, os desfechos.

      Excluir
    6. Somos todos bombas relógio Filipa, mas estes têm armas de fogo e bastões... O que, em parecendo q n, torna a coisa mais complicada.
      Naturalmente q n desculpabiliza, mas creio q n era isso q aqui se pretendia.

      Excluir
    7. Aquilo tem a ver com a zona do estádio cujos bilhetes foram "dados" ao clube visitante. Os adeptos não têm necessariamente que ser da claque, mas vão ficar no mesmo sector...
      E é claro que o medo de levar as crianças para esses tais setores do estádio não tem a ver (só) com ataques da polícia. Mas muita coisa pode de facto correr mal.
      E acho que muitos polícias são doentes de psiquiatria, mais que noutras classes. É muita pressão para pouco ou nenhum reconhecimento. Não acredito que o polícia que fez aquilo, a esta distância, ache que agiu bem (e não estou a falar por sr ter tornado viral, acho que saberia que agiu mal de qualquer das formas)...

      Excluir
  7. Gosto dos teus pensamentos. Sou particularmente sensível ao ponto 7, a minha filha disse-me ontem que tinha medo da matemática. E isso é uma coisa que me desgosta, verdadeiramente. A matemática está presente em quase tudo, na vida. E é bonita. Uma criança, que até percebe as coisas, tem notas acima de 80, dizer-me que tem medo da matemática desgosta-me.
    (e dá-me vontade de correr ao pontapé os iluminados responsáveis pelos conteúdos programáticos)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade. Isto afasta ainda mais os alunos. Os próprios professoras não concordam com o que estão a dar. E essa falta de paixão pelo que se está a fazer transparece muito facilmente para os alunos.

      Excluir
  8. E já estás melhor da alergia ao frio? (Nem sabia que existia, honestamente...)

    Quanto à matemática, preocupo-me com isso daqui a uns anitos. Pode ser que melhore.

    E do resto destaco: "You pay peanuts, you get monkeys". Adorei :D

    (Vou-te mandar um email, mas o tema é mais pessoal)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estou melhor sim Silent. A parte boa é que recupero rápido. E é mesmo isso... You pay peanuts you get monkeys... Sem tirar nem pôr.

      Excluir
  9. Opa, tenho de comentar. Eu também sou alérgica ao frio! Aliás, sou alérgica a variações de temperatura superiores a 10oC. Tomo anti-histamínicos e cetirizinas diárias para evitar falecer em qualquer canto. E as pessoas pensam que brinco e ninguém me leva a sério quando peço para desligar o AC :(

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso dá comichão e ficamos vermelhas na pele?
      Eu por vezes fico assim no frio mas sempre pensei que era por ter pele seca. Pensava que não existia a alergia ao frio (mesmo no posto, pensei que fosse gozo).

      Excluir
    2. Antes fosse no gozo... Estou cada vez pior... (Amanhã faço post sobre isso.)

      Excluir
  10. Parabéns!!!! O post mais SENSATO, que li sobre o assunto!! (inclui o "ensino actual da Matemática"!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A Teresa estraga-me com mimos. :))

      Excluir
  11. Caneco, a minha alergia ao frio traduz-se em 9 meses de mau humor. Ya, são 9 meses de inverno nesta bosta de Madrid. Já a minha alergia/eczema/pele atópica/urticária traduz-se em ebastina, atarax ou zyrtec no buchinho tout les jours. Entendo-te. E detesto ir à bola, por isso não vou nem levo as crias.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Somos muitos... É o que te digo... Somos muitos. Amanhã faço post sobre a alergia.

      Excluir