segunda-feira, 18 de maio de 2015

E nós por aqui a brincar com isto do futebol...

E eu acabei de ver um polícia a atacar um homem adulto e um idoso e, qual cereja no topo do bolo, uma criança em pânico.

Não sei nada do que aconteceu antes? Pois não. Nem preciso. Bastou-me o que vi. Independentemente do que tivesse acontecido, independentemente do que tivesse sido dito, nada justifica o que vi. Nada! Foi vergonhoso.

Às tantas era melhor avaliar a saúde psiquiátrica daquele agente... E rápido, antes que mate alguém num qualquer acesso de fúria... Nos entretantos se calhar não seria má ideia algemá-lo. E açaimá-lo!

Uma vez, antes do Europeu de 2004, estava eu numa esplanada à noite... Zona tranquila. Tudo tranquilo. Depois chegaram uns rapazes que faziam algum barulho com as suas motas. Mais barulhento, mas tudo tranquilo na mesma. Entretanto chega a polícia de intervenção (??). Houve gente que estava sentada de braços cruzados e de braços cruzados apanhou da polícia. Eu? Eu fugi o mais rápido que consegui. Tive ali a certeza que estavam em treinos e foi daquelas cenas que se eu não tivesse visto não acreditava.

22 comentários:

  1. Acho muita piada quando vêm um policia a malhar como gente grande num gaja ao pé de criancinhas... córror que mau exemplo!! Mas se formos a ver, muito provavelmente esse gajo que estava com a criancinha já tinha vandalizado e dito umas tantas carvalhadas... ao pé da criancinha! Os exemplos vêm de todo o lado!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não tem a ver com estar ao pé ou longe da criancinha. Tem a ver que foi uma reacção completamente descabida e desproporcionada. Mesmo que a criancinha não estivesse ali. Ou não achou? A criancinha foi tão somente a cereja no topo do bolo. Nada mais. Seria igualmente vergonhoso mesmo que ela não estivesse ali.

      Excluir
    2. Bem, primeiro, n sabendo o q o senhor fez, se calhar já especulava menos. Segundo, parece-me q andamos todos baralhados se achamos q violência (hipotética) se combate com violência.
      Terceiro, lamento informar mas dizer caralhadas, ainda q em frente a uma criança, é diferente de dar umas valentes bastonadas a alguém.
      E além disso, parece-me a mim, e considerando o treino e tamanho dos meninos destas forças policiais, q era capaz de n ter sido mto difícil deter ou imobilizar o senhor sem recorrer aquela cena deplorável.
      Mas ainda bem q na semana passada andava tudo a ameaçar de morte uma jovem de 15 anos q bateu num colega, mas hoje já achamos normal q um policia bata num cidadão, em frente a uma criança pequena, pq seguramente o senhor estava a pedi-las.

      Excluir
    3. Exacto Me. Mas eu também acho que a criança estar ali foi um dano colateral. Quanto têm de agir têm de agir, não podem estar a olhar se há crianças ou não. A questão é que ali não tinham de agir assim. Não tinham. Independentemente do que tenha sido dito, não podem nunca agir assim. Eram duas pessoas isoladas. uma delas idosa. Representavam zero risco. Zero.

      Excluir
    4. Há portanto pessoas que acham natural que os policias partam para a violência porque alguém os hostiliza verbalmente? Muito me contam... Então aquela coisa de usar somente a força necessária para os prender e depois acusarem-nos de injúrias ou afins é mito, certo?

      Eu cá acho que eles deveriam ser capazes de controlar a sua agressividade (senão não são melhores que os agressores) e aprenderem a controlar a raiva. Para além disso, o facto de terem um crachá não lhes dá imputabilidade legal, nem o facto de terem um bastão lhes dá o direito de bater a torto e a direito indiscriminadamente. Isso era no tempo da PIDE.

      É por estas e por outras que nunca levo o meu filho para confusões. Já vi algumas situações parecidas e já vi muito inocente apanhado do meio das coisas mesmo não fazendo nada, simplesmente levam.

      A raiva e a agressividades dos policias fica-lhes marcado no rosto, nas expressões, postura e atitudes, ou seja, estão emocionalmente instáveis para conseguirem discernir as coisas e muitas vezes levam quem fez m*** e leva quem não fez nada, nem que seja alguém a tentar tirar o filho do meio da confusão .
      Faz lembrar aqueles pais que, num acesso de raiva, batem nos filhos até eles morrerem e depois se dizem muito arrependidos... quem tem acessos de raiva não pode ter uma arma na mão. Cumprir a lei e fazê-la cumprir é uma coisa, excessos e abusos de poder é outra.

      Excluir
    5. Pipocante Irrelevante Delirante18 de maio de 2015 12:28

      Se o gajo com a criancinha tivesse vandalizado ou algo assim, o agente da autoridade dava ordem de prisão. Se resistisse, usaria força proporcional. Ou então partia logo para a bastonada. Uma das duas.

      Excluir
    6. Exacto, é como o PID diz.
      Sim NM, se facto a situação e condenável com ou sem criança, no entanto, admito q acho q deveria ter havido um cuidado acrescido, pq do q vemos das imagens, n foi uma situação em q o policia tenha vindo a correr n sei de onde sem ver quem eatava. Eles trocaram palavras antes da agressão, nomeadamente o miúdo mais velho, mãos ainda assi uma criança, foi empurrado.
      Ainda agora vi uma imagem q espelha a situação, o homem no chão, a ctiança menor em frente a todos a gritar (o q julgo ser pai, e um policia de bastão no ar p arrear, lembro q o homem estava no chaõ, segur por outro policia).
      Isto é tudo mto mau!

      Excluir
    7. Pois é... Muito polícia anda em descompensação... (anda muita gente, mas os polícias andam armados...)

      Excluir
    8. Exacto.
      Isto de escrever no tele é mto complicado :)

      Excluir
  2. Bom, vou ter de estar atente às notícias do almoço. Parece que só eu é que não vi o polícia de Guimarães.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vê e depois diz-me se aquilo não é violência gratuita...

      Excluir
  3. Pipocante Irrelevante Delirante18 de maio de 2015 12:31

    No início do campeonato, um adepto do Boavista levou (diz ele) forte e feio da polícia... em Guimarães.
    Claro que a camisola era diferente
    E faltou o telemóvel

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu já vi gente que não fez nada, rigorosamente nada, apanhar da polícia. Eu vi. Ninguém me contou... No episódio que contei não havia confusão rigorosamente nenhuma. provavelmente houve um telefonema para a polícia por ruído, por causa das motas. Foi só isso. A polícia deintervenção (completamente injustificada) apareceu e foi o caos. ninguém queria acreditar no que estava a acontecer...

      Excluir
  4. É uma vergonha! Uma cobardia sem tamanho!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. (Pitanga!... Tudo bem? Os meninos? Saudades tuas carai...)

      Excluir
    2. Oh, és um doce! Está tudo bem, o tempo é que é pouco! Mas hoje prometo escrever! Beijinhos!

      Excluir
  5. Nada do que o senhor possa ter dito justifica o comportamento do polícia, estivesse lá a criança ou não. Agora outra coisa que ultrapassa em muito a minha compreensão é o porquê de levarem crianças para este tipo de coisas! E não me venham dizer que é pelo desporto e bla bla bla que toda a gente sabe o que se passa neste jogos e comemorações e de desporto não tem nada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Inconsciência. Não tem outro nome. O meu marido já levouo Jr. ao futebol. Mas foi para longe das claques, para um sítio onde só há famílias, e num jogo de apresentação. Nem me passa pela cabeça levá-lo noutras circunstâncias...

      Excluir
    2. Claro eu referia-me a este jogos tipo derby jogos decisivos ou últimos jogos dos campeonatos. Os adeptos parece que levam uma injecção e ficam cegos com isto, até pessoas civilizadas que eu conheço ficam loucas nestes dias, isto é pior que droga!

      Excluir
    3. O padrinho do meu filho queria levá-lo a um benfica-porto aqui há uns anos (teria a criança 2 anos).
      E eu disse-lhe que ele era maluquinho :)
      Às vezes é inocência. Há muitas pessoas que não fazem ideia do que acontece e o que acontece antes e depois. Por exemplo, eu nunca estive num estádio e não sabia que eles fecham as pessoas no final e não as deixam sair (wtf?!), por acaso, nunca quis nem deixaria o meu filho ir para esse tipo de jogos porque já se sabe que há maluquinhos para tudo e já se vê bem como é que de repente se instala o pânico e os confrontos e depois quem é inocente está tramado.

      Mas o padrinho queria levá-lo pela experiência, queria pagar-lhe o bilhete e tudo para ser uma experiência a 2. Depois lá teve que engolir o não :) mas ele nem se tinha lembrado da possibilidade de confrontos e problemas (ainda não era pai...) mas depois percebeu. Agora com um filho pequeno já não se mete lá no meio (pois é...!) mas seja como for, será que nós deveríamos mesmo ter que nos privar de uma experiência só porque há gente assim?

      Eu, por acaso até sou benfiquista mas as atitudes de muitos perturbam-me. As pessoas estão malucas e parvas. E depois temos o outro lado da "autoridade" a fazer este tipo de "serviço" publico. No meio disto tudo, ainda estou para perceber quem é pior, se os tipos que parecem que vão para lá fazer "riots" e imitar os dos EUA ou os nossos policias que batem indiscriminadamente e fazem gestos obcenos com bastões...?

      Excluir
  6. http://expresso.sapo.pt/sociedade/2015-05-18-Subcomissario-justifica-agressoes-em-Guimaraes-devido-a-uma-cuspidela

    Eles dizem que sim, "sobretudo devido à resistência feita pelo adepto aos agentes de segurança" eles dizem que sim, mas eu não vi.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Enfim... Alguma coisa teriam de dizer...

      Excluir